Odyuzu

Significado:

O odyuzu é uma série de contas (bolinhas) com um orifício no centro atravessado por um cordão, semelhante ao rosário utilizado em várias religiões.

Literalmente, em japonês, a palavra “Dyu” significa somar e “Zu” contas, ou seja, somar as contas para memorizar números. Além da denominação de odyuzu, é chamado também de nendyu e zuzu.

Existem odyuzus com 14, 21, 27, 42, 54, 108 e até de 1080 contas, mas o adotado pela nossa religião é o de 108 contas que explicaremos a seguir:

As duas maiores contas representam os Budas Shakamuni (Buda Histórico) e Buda Tahou (que comprovou ser o Sutra Lótus o mais nobre e valioso Sutra pregado pelo Buda Shakamuni). Na parte central do odyuzu existem 108 contas que representam os sentimentos de paixões mundanas de um ser humano, intercalado por 4 contas de tamanhos ou cores diferentes que representam os quatro Bossatsu: Dyougyou,
Muhengyou, Jyougyou e Anryugyou, propagadores dos ensinamentos de Buda na atual Era denominada Mappou.

Nos extremos do odyuzu existem 5 tranças de linhas com franjas. Do lado que possui 3 franjas, existe uma composta por 10 contas que representam os 10 discípulos de Buda. Os dois restantes que possuem 5 contas, cada, representam os Bossatsus, o mesmo se aplica ao lado que possui 2 franjas.

As franjas servem para enfeite e para diferenciar dos odyuzus de outras organizações ligadas ao Grande Mestre Nitiren Daibossatsu e que são muito parecidas.

Como utilizar:

Adquirindo o odyuzu, antes da primeira utilização, deve ser solicitado ao monge para realizar o kaiguen, ou seja, consagrá-lo com a oração do Namumyouhourenguekyou perante ao Altar Sagrado.

Utiliza-se o odyuzu colocando-se na mão direita o lado que tem as 2 tranças e na esquerda o que tem 3 tranças, mantendo simetria das duas contas maiores com a posição ocupada no Gohonzon pelos Budas Shakamuni e Tahou.

Faz-se as orações juntando-se as palmas das mãos com o odyuzu, sem necessidade de esfregar as contas. Durante o culto, quando estiver pronunciando o “Namumyouhourenguekyou” deve-se sempre segurá-lo numa das mãos ou colocá-lo no pescoço, nunca deixando em cima dos bancos ou cadeiras. Quando não estiver utilizando, recomenda-se guardá-lo no porta-odyuzu e, em casa, no Gokaidan (oratório).

O odyuzu danificado, velho ou sem utilização não deve ser jogado no lixo. Entregue ao monge do seu templo que eles providenciarão o descarte adequado.