Palavras de Condolências da HBS do Brasil ao Bispo Nitien Matsumoto

Falecido em 27/5/2020 aos 74 anos

Título honorífico budista: Shouhouin Nitien Shounin

 

Consta no Sutra Lótus:

“Nyakushingon hosshi, sokutoku bossatsudou,

zuidyun zeshigaku, tokken goudyabutsu”.

(última frase do 10º Capítulo. Kaiketsu p. 320)

Ou seja,

“Aquele que se aproximar do Orador Sacro do Darma, pela disciplina e aprendizado, imediatamente, adentrar-se-á no caminho de bossatsu e visualizará a quantidade de Budas equivalente aos grãos de areia do Rio Ganges.”

Adornamos as suas virtudes com a oração do Namumyouhourenguekyou, e rogamos para que sua alma intensifique a sua luz e deleite-se no maior grau de felicidade, a iluminação. Dijyu houraku bukka shougon bodai.

 

Nós da Honmon Butsuryu-Shu do Brasil estamos neste momento, mergulhados em profunda tristeza pelo falecimento do Bispo Matsumoto Nitien Shounin.

Considero ser oportuno refletirmos sobre como devemos cada vez mais ser responsáveis e zelosos em nossas atividades daqui em diante. Pois até agora, sempre recorríamos ao Odoshi quando passávamos dificuldades. Realizávamos inúmeros pedidos, talvez até demasiadamente, por confiar demais em vossa pessoa.

Rememorando, nossos elos são de longa data, quando recebemos a primeira vinda do 11º Sumo Pontífice Kajimoto Nissatsu Shounin e do primeiro Diretor-Geral da América do Sul, Shimizu Nippaku Shounin. Desde então, foram 60 anos de conexão e elos profundos, e todos foram elos gratificantes deixados pelo Padroeiro Ibaragui Nissui Shounin, que puderam ser resgatados graças a vossa nomeação a Diretor de Expansão Internacional, exatamente no período crucial em que comemorávamos os 100 anos de Imigração Japonesa e do Budismo no Brasil. Somos profundamente gratos por isto.

Graças a estas virtudes, o Brasil pôde novamente reencontrar a sua órbita, com o aumento de novos sacerdotes e o estímulo na expansão, podendo finalmente adentrar em uma nova era para a HBS do Brasil.

Depois disto, para que este espírito fosse reconfirmado, por ordem do Sumo Pontífice Koyama, o senhor atravessou ao Brasil novamente para nos oferecer os shakubukus e incentivos, juntamente com o Hasegawa Odoshi. E graças a isto, o “itaidoushin” se estabeleceu.

E preocupado com a instalação do grandioso Santuário Ecológico, no ano seguinte voltou novamente ao Brasil com o Hasegawa Odoshi. A sua celebração da Cerimônia de Cumeeira foi o ponto de partida que culminou na magnífica inauguração do nosso Santuário Ecológico.

O senhor acabou por se tornar em um grande amigo, um Grande Amigo desta Grande Família chamada Budismo Primordial HBS. E como um familiar próximo nos fez grandes favores em quase tudo o que precisávamos.

No Japão, organizou o sistema de intercâmbio internacional da HBS, e graças a isso todos os sacerdotes brasileiros dos graus intermediários puderam estagiar no Japão. Jovens fiéis brasileiros também foram recebidos calorosamente no vosso templo Myoufukuji, e são eles agora que estão na linha de frente das atividades religiosas do Brasil como bispos e dirigentes.

Na caravana para a Índia tomou a frente de todos nós, e graças à sua habilidade de unir as pessoas, liderou os 50 caravanistas, que foram até o Pico da Águia onde Buda pregou o Sutra Lótus, e lá pudemos depositar as cinzas do nosso padroeiro Ibaragui Nissui para todo o sempre.

Aqui no Brasil, o Odoshi era uma pessoa muito popular. Só de ouvirmos que o Odoshi viria para o Brasil, o ambiente se transformava, ficávamos todos nós mais radiantes e positivos.

Só que, mesmo em meio a todas as alegrias, quando fomos atingidos por uma tristeza dilacerante e de maior angústia, foi aquele que, não hesitou em mergulhar conosco no redemoinho da dor.

Não dá para esquecer.

Quando faleceram os nossos três bispos, o senhor não se aguentou em ficar parado, e por si próprio, antes de qualquer outro, veio voando em nossa direção acompanhado do atual Diretor de Expansão Internacional, o Bispo Nagamatsu. Foi o senhor que nos reuniu e orou conosco. E com o coração pleno de dor, chorou. Chorou por várias vezes. As suas lágrimas, as suas palavras, naquele momento, nos deram forças e nos sentimos extremamente amparados.

Foram tantas as lembranças e apoio recebidos do senhor que não é possível nem mesmo calcular.

Agora, quem chora, somos nós.

Pelo fato do senhor ter sempre profunda compaixão de nós e assim ter ficado tão próximo, pudemos graças a isto, aprender muito com o jeito único do Odoshi, com suas palavras e o modo como se comportava em todas as situações. Por exemplo, quando nós precisávamos da sua presença, por si próprio, já se manifestava perguntando:

“Eu não preciso estar com vocês?”. Era assim, o seu espírito de espontaneidade e motivação.

Além disso, quando um jovem ou novato era repreendido de forma dura, dizia: “Não precisa ser tão duro”, e assim se postava entre os dois, salvando ambos com o verdadeiro sentimento de ajudá-los.

Havia vezes que dizia “Deixa comigo, que eu dou um jeito”, sempre trazendo o sofrimento para si. Tal como a pregação da causa mística primordial.

E ainda, havia ternura mesmo quando dizia: “Seus tolos”, ao iniciar uma orientação compassiva, séria, rígida e ao mesmo tempo carinhosa.

No final, as últimas palavras que nos deixou foram:

“Devem reaprender desde o início, viu”.

São essas as palavras que se tornaram na conclusão final do verdadeiro significado de todos os shakubukus até aquele momento.

Orientou-nos para refazermos tudo de novo desde o início, com o verdadeiro espírito e ímpeto de um humilde principiante.

A nós cabe apenas cravar este ensinamento na alma, no coração, e praticarmos em todos os momentos.

Odoshi, muito, muito obrigado.

No Brasil, aguardávamos o senhor, neste Cinquentenário póstumo do Padroeiro do Budismo no Brasil Ibaragui Nissui Shounin, mas agora, rogamos que participe conosco lá mesmo da Terra Pura, onde estará. E que nos proteja em todos os nossos gohoukous vindouros.

Foram tantos os benefícios recebidos do senhor que não é possível expressá-los nestas simples palavras, porém, em demonstração de gratidão, doravante, prometemos nos esforçar com a união do itaidoushin, com todas as nossas forças e em todos os gohoukous aqui no Brasil.

Arcebispo da HBS do Brasil, Nitiguen Takassaky.

Gasshou.