Verso do Grande Mestre Nissen Shounin nº 1403

“Jyougyou é o enviado
do Buda Primordial.
Expandiu na Era Mappou
o Namumyouhourenguekyou.”

Por Nitiguen Takassaky

Há mais de mil e quinhentos anos atrás, quando os seres humanos acreditavam que suas vidas eram regidas pela natureza ou por uma vontade divina, surgiu na Índia um príncipe que abdicou de seu trono, abandonou seu castelo e sua família em busca de respostas para os sofrimentos humanos. Através de práticas ascéticas alcançou a iluminação e durante cinquenta anos fez sua pregação na qual enfatizava que cada um é responsável pelo seu destino e a maneira de alcançarmos a felicidade era a purificação do nosso carma, através da devoção ao Darma atrelado ao sentimento de compaixão.

Os ensinos foram se espalhando até chegar ao Japão onde o Grande Mestre Nitiren Daibossatsu (séc. XIII) foi reconhecido como o porta voz (Jyougyou Bossatsu) do Buda Primordial para pregar seus ensinos na era denominada de Mappou sendo que a prática consistiria na meditação ativa (pronúncia do mantra sagrado Namumyouhourenguekyou). Nitiren Daibossatsu ao propagar seus ensinos criou vários inimigos e consequentemente sofreu vários atentados chegando até ser condenado à morte. Através da sua fé no Darma conseguiu superar todos os obstáculos e convenceu os seres da época sobre o poder e a veracidade dos ensinos. Como guardiões do Budismo Primordial, entre tantos Mestres se destacaram Nitiryu Daishounin e Nissen Shounin que mantiveram a pureza da prática do Grande Mestre Nitiren Daibossatsu.

No Brasil o Budismo foi introduzido somente no ano de 1908 através do primeiro navio de imigrantes japoneses que trouxe o então monge do Budismo Primordial Guenju Ibaragui e sua família. A trajetória de vida do Arcebispo Ibaragui foi retratada  no livro “O que é Primordial” escrita pelo Bispo Superior Nitiyuu Correia e nele podemos observar e sentir que o Padroeiro do Budismo no país viveu uma vida tal qual os Grandes Bodhisattvas , ou seja, para propagar os ensinos do Buda Primordial abdicou de sua própria vida passando por inúmeros obstáculos e sofrimentos. Graças a esse espírito de compaixão e resiliência, obteve êxito na sua missão possibilitando salvar milhares de pessoas.

Neste ano, como gratidão ao Padroeiro Budista Arcebispo Ibaragui Nissui no seu quinquagésimo culto póstumo, vamos dar prosseguimento na expansão do Darma Sagrado, fortificando cada vez mais nossa fé para vestir o manto de um Bodhisattva e socorrer as pessoas ao nosso redor que estão passando por angústias e sofrimentos. Essas ações com certeza produzirão imensuráveis virtudes que se refletirão em bençãos na nossa vida.