Verso do Grande Mestre Nissen Shounin nº 901

“Mesmo que tentem conduzir
com adulações e mentiras,
se não presenciar as bênçãos
as pessoas não aceitarão.”

Por Gyouen Campos

 

Este verso do Grande Mestre Nissen Shounin nos ensina que a nossa boca é um veículo, devemos saber exatamente aquilo que estamos falando. Se o que dizemos é mentira, ninguém vai acreditar.

A expressão utilizada no verso “usso happyaku”, significa 800 mentiras. Porque foi usado o nº 800? Porque no Japão, 800 se tornou sinônimo de muitos, incontáveis! Na antiga cidade de Tokyo, chamada de Edo, havia muitas cidades, e como tinha muitas cidades, chamavam de happyaku yatyo, 808 cidades. Em Osaka, como havia muitas pontes, diziam que Osaka era a cidade de 808 pontes happyaku yahashi.

Nossa boca é como se fosse um veículo, se o que você fala, for mentira, ninguém vai cair nessa. A palavra “noru” que consta no verso, significa embarcar. Quer dizer que ninguém vai embarcar em sua conversa, no que você diz. Isso se for alguém transmissor de ladainhas, falsidades e mentiras, não adianta convidar as pessoas para virem ao templo, para vir para o culto, com agrado e enrolações. Caso contrário, será usso happyaku, 800 mentiras.

O que é agrado e enrolação? É chamar a pessoa pra vir receber a bênção, e ela não receber. E tão pouco se importar se seu convidado está recebendo a bênção ou não. O cuidado que deve ser tomado, é se o que estamos falando não se transformar em adulação ou mentira. Porque, se não virar bênção, as pessoas não vão praticar. Então quem está ensinando, quem está convidando, deve fazer virar a bênção. É como a expressão popular: mata a cobra e mostra o pau. Se é verdade, mostra que é!

O Pastor e o Lobo

Um pastor de ovelhas achava a vida muito monótona. Por isso, inventava de tudo para se distrair. A sua diversão favorita era fingir que estava em apuros.

– Um lobo! Socorro! Socorro! – costumava gritar aos quatro ventos.

Quando as pessoas do povoado vinham em seu socorro, encontravam-no perfeitamente seguro, rindo a valer.

Um dia apareceu um lobo de verdade na frente do pastor. Desesperado, ele começou a gritar como sempre fazia:

– Um lobo! Socorro! Socorro!

Desta vez ninguém veio socorrê-lo, e o pastor teve de se esconder em cima de uma moita de espinhos, enquanto o lobo devorava todas as suas ovelhas. Moral: Quando os mentirosos falam a verdade, ninguém acredita.

Quem sabe, faz ao vivo. Só vai ser verdade se receber a bênção. No fim das contas vai ser, se receber a bênção ou não. Por isso, quando somos padrinho de conversão de alguém, responsável por algum outro fiel, ou por alguma pessoa que veio até o Templo, é nossa obrigação fazê-la receber a bênção. Temos que nos preocupar se ela está recebendo as bênçãos ou não. Caso contrário, seremos esse pastor mentiroso da estorinha, apenas usso happyaku.

Também devemos aprender, que receber um ensinamento é uma bênção, praticar a fé, participar de um culto, conhecer pessoas de bem, religiosas… Tudo isso também é bênção. Se a pessoa perceber isso já está de bom tamanho, mas geralmente ninguém percebe, porque sua necessidade fala mais alto.

Sendo assim, para as pessoas acreditarem em nós, sermos verdadeiros, prudentes e íntegros na prática religiosa, devemos provar a veracidade do Darma Sagrado, transmitindo o recebimento das bênçãos e fazendo com que qualquer um que pratique a fé também receba as bênçãos.

É isso que nos transmite este verso do Grande Mestre Nissen Shounin.