NAMUMYOUHOURENGUEKYOU, é o mantra no qual Buda Pri­mordial compactou e embu­tiu a sua totalidade e todas as virtudes da sua prática. Sua pronúncia pode parecer difícil no início, mas com a prática diária se torna algo muito natural.

Mantra é uma palavra que exerce muito mais uma fun­ção do que um significado. E o Mantra NAMUMYOUHOURENGUEKYOU, de acordo com a nossa capacidade, existe para que possamos receber as bênçãos e a iluminação pela prática da fé e oração.

Também aprendemos que, neste mundo, onde nada se cria e tudo se transforma, o NAMUMYOUHOURENGUEKYOU é eterno; não se cria, não cria, nem recria, não têm começo nem fim. Não está sujeito à mutabilidade e im­permanência como tudo que está a nossa volta. Ou seja, possui a característica que precisamos para devotar sem receios, pois, sempre foi e sempre será o Buda Primordial.

Literalmente pode ser inter­pretado como: “Ensinamen­to da Lei Mística Universal figurada no modo de vida e desabrochar da Flor de Ló­tus, ao qual devotar-me-ei”. Todavia, devemos sempre lembrar que a melhor res­posta para a pergunta “O que é NAMUMYOUHOURENGUEKYOU?” é e sempre será: “Ore que saberás!”. Enquanto estiver preocu­pado com o significado, ja­mais poderá extrair toda a energia contida nesta ora­ção, justamente porque seu signifi­cado é muito mais profundo do que podemos imaginar. Assim nossos mestres antecesso­res nos transmitiram. É a oração que devemos repe­tir com humildade, em sinal de devoção e em busca da interação com o mundo sa­grado.

O ato de pronunciar o NAMUMYOUHOURENGUEKYOU é denominado Kushou (oração). Na HBS, essa prática é de suma importância.

Para que possamos sentir o efeito dessa prática é necessário, antes de tudo, sen­tir que o NAMUMYOUHOURENGUEKYOU está vivo. Em outras palavras, ao invés de tentar entender o budismo usando apenas a intelectualidade, devemos acreditar e nos empenhar na lapidação do nosso espírito através da prática da Oração Sagrada e do caminho de compaixão.